Historico de Montagens

2018.2 Curso Técnico Formatura REG.O

YERMA

Texto Federico García Lorca
Direção Antonio Gilberto

NOV 2018

Teatro Dulcina
Rua Alcindo Guanabara, 17
Centro . Rio de Janeiro



12 anos

Poema trágico de García Lorca, escrito em 1934, Yerma ganha nova montagem, com direção de Antônio Gilberto e um elenco com 15 jovens atores formados pela CAL, a partir do dia 14 de novembro no Teatro Dulcina. O espetáculo leva ao palco a tradução de Cecília Meireles para uma das últimas criações do dramaturgo espanhol assassinado pelo regime político do ditador Francisco Franco. A ação de YERMA se passa no meio rural, em meio a costumes em que não faltam a poesia e as conversas cotidianas onde se inserem personagens simples, que fazem parte desta história sobre a maternidade frustrada

Yerma é uma tragédia, como se esforçou para caracterizar Garcia Lorca, escrita logo depois dos anos que o poeta passou com Lá Barraca, companhia ambulante que apresentava textos clássicos espanhóis para plateias populares. Uma tragédia em que um apelo da "natureza" , a maternidade, conflita com uma exigência da "honra" da família. Yerma deseja um filho que o marido não lhe permite ter. Mas ao mesmo tempo se nega a traí-lo.

SINOPSE:
Yerma é uma mulher que vive o drama de não poder conceber um filho. Busca de todas as formas engravidar e enfrenta a indiferença do marido, Juan, que não demonstra nenhum interesse em compartir da sua angústia.
Obstinada, Yerma participa, contra a vontade do marido, de um ritual na casa de uma curandeira, para invocar a maternidade, o que provoca grande discussão entre os dois. Desesperada, Yerma descobre que o seu marido não deseja ter filhos e, enlouquecida entre o desejo de conceber um filho e a sua impossibilidade, ela o estrangula.

O Espetáculo

A concepção do diretor Antonio Gilberto prioriza a exposição do jogo teatral entre os 15 atores que atuam no espetáculo, revelando para o público a coxia, onde os atores se preparam e aguardam para entrar em cena e apresentar a história de YERMA. Todo o mecanismo do fazer teatral, essa arte da mentira construída através da verdade, está à mostra para o público, trazendo o metateatro como linguagem da encenação. O público vai assistir os personagens em cena, mas também aos atores, na coxia, se preparando, para entrar em cena. A montagem deste texto de García Lorca tem como objetivo promover a reflexão por parte dos espectadores sobre temas atuais relacionados à questão da mulher na sociedade ocidental, que envolvem a opressão social, sexual, religiosa, o machismo e o adultério, entre outros temas que autor trabalhou nesse texto de forma poética e crítica.
O realismo essencial, uma forma concisa e objetiva de encenar, foi a base da criação desta montagem de YERMA. O trabalho do ator foi priorizado, principalmente no que se refere ao uso da palavra, como signo principal do espetáculo, não diminuindo a presença e importância dos demais signos que fazem parte do espetáculo como a música (executada ao vivo), figurino, cenografia e iluminação.

  • Texto

    Federico García Lorca

  • Tradução

    Cecília Meireles

  • Direção

    Antonio Gilberto

  • Luz

    Aurelio De Simoni

  • Cenário e Figurino

    Ronald Teixeira

  • Preparação Corporal e Coreografia

    Marluce Medeiros

  • Preparação Vocal

    Rose Gonçalves

  • Direção Musical e Guitarra Flamenca

    Sergio Otero

  • Assistente de Direção

    Felipe Prado

  • Assistente de Produção

    Joel Tavares

    Silvio Garcia

  • Assessoria de Imprensa

    Ana Gaio

  • Projeto Gráfico

    Isabella Manhães

    Rita Ariani

  • Fotografia

    Pablo Henriques

  • Direção de Produção

    Marcia Quarti

YERMA

Elenco


Veja também